O SNF encara com expectativa e preocupação as mudanças na equipa governamental da área da Saúde.

Uma abordagem emergente e cuidada dos problemas que os farmacêuticos do SNS enfrentam é algo que não se compadece com um novo adiamento desta discussão.

O SNF espera assim que o Ministério da Saúde independentemente dos seus titulares temporais, adote finalmente uma politica de investimento na área dos cuidados farmacêuticos do SNS que dignifique e potencialize os ganhos em Saúde que todos os dias estes profissionais asseguram.

O SNF continuará a posicionar-se sempre como parte da solução e não do problema, mas espera uma atitude imediata de abertura a negociações com este sindicato, que já deveriam e poderiam ter ocorrido em tempo útil e espera por parte da nova equipa do Ministério uma abordagem pragmática e objetiva da situação dos Farmacêuticos no SNS.

Porto, 30 de agosto de 2022

O Sindicato Nacional dos Farmacêuticos

Decorreu no dia 16 de julho de 2022, no salão nobre da Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto(@ffup_up ), a tomada de posse dos órgãos sociais do Sindicato Nacional dos Farmacêuticos para o biénio 2022 – 2023.

Os órgãos agora empossados defendem uma melhoria das condições de trabalho dos farmacêuticos e uma remuneração justa e digna, que incentive e valorize os serviços farmacêuticos em todas as suas áreas de atuação.

Neste biénio 2022 – 2023, o SNF está empenhado em estimular a sindicalização, tornar a comunicação com os associados mais eficiente, assim como agilizar a eficácia do apoio jurídico.

Traça ainda como principais objetivos:

✔️ Renegociação do Contrato Coletivo de Trabalho (CCT) com a Associação Nacional das Farmácias (ANF)

✔️ Negociação de um contrato coletivo de trabalho com a Associação de Farmácias de Portugal (AFP), a Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP), a Associação Portuguesa de Analistas Clínicos (APAC) e a Associação Nacional de Laboratórios (ANL)

✔️ Revisão/atualização da tabela remuneratória na carreira farmacêutica

✔️ Consolidação da carreira dos farmacêuticos e residência farmacêutica

✔️ Revisão do sistema de avaliação de desempenho para progressão na carreira

Em suma, o empenho do SNF é no reconhecimento adequado e devidamente enquadrado da intervenção do farmacêutico e das condições necessárias, para a prestação de serviços farmacêuticos com qualidade e segurança, com ganhos para os cidadãos e para o sistema de saúde.

O Sindicato Nacional dos Farmacêuticos (SNF) esteve ontem, 7 de julho para discutir a insustentável situação em que se encontram os farmacêuticos no Serviço Nacional de Saúde (SNS).

O SNF entende ser necessária a abertura de um processo negocial de forma a poderem ser tomadas medidas urgentes para evitar a iminente rutura dos serviços farmacêuticos hospitalares em todo o país.

A Ministra da Saúde apresentou ontem o novo estatuto do SNS composto por três linhas de intervenção: “mais organização, mais autonomia e mais motivação para os profissionais de saúde, para que se possam garantir melhores cuidados, mais acesso e mais humanização”.

Nesse sentido é essencial a contratação de farmacêuticos, discutir uma revisão urgente do acesso à residência farmacêutica, uma valorização da carreira farmacêutica e uma nova tabela salarial.

Tendo em conta o contexto atual e após a reunião com o Ministério da Saúde, o SNF aguarda uma resposta célere para o início do processo negocial.

Em breve comunicará aos sócios o desenvolvimento desta situação.

Juntos somos mais fortes!

Os farmacêuticos hospitalares do Instituto Português de Oncologia do Porto (IPOPorto)
entregaram hoje, cartas de escusa de responsabilidade por considerarem que não reúnem, por insuficiência de recursos humanos, as condições necessárias para garantir a segurança dos cuidados farmacêuticos prestados aos doentes.
Os Farmacêuticos do IPOPorto consideram que não estão reunidas as condições de
garantir a segurança do ato farmacêutico prestado aos doentes nas diversas áreas de
prestação de Cuidados Farmacêuticos, uma vez que a normal prossecução da sua
atividade, com as exigências assinaladas, não depende apenas do correto exercício
funcional destes profissionais depende, a montante, da boa organização e gestão do
serviço e da existência e disponibilização, a todo o tempo, de adequadas condições de
trabalho, em matéria, designadamente, de recursos humanos, logísticos e materiais,
condições que há muito que não estão reunidas.
O Sindicato Nacional dos Farmacêuticos já solicitou o agendamento de uma reunião
com o Conselho de Administração do IPOPorto para discutir estes problemas. No
entanto, dada a ausência de uma estratégia passível de aplicação em tempo útil para
evitar, por um lado a contínua saída de farmacêuticos e, por outro, a insuficiência do
atual quadro de pessoal farmacêutico com a consequente degradação das condições de
trabalho e assistenciais do Hospital e dos Serviços Farmacêuticos, não resta a estes
profissionais qualquer alternativa que não seja esta tomada de posição.

Em entrevista à TVI, Henrique Reguengo, Presidente do Sindicato Nacional dos Farmacêuticos (SNF), denuncia a situação vivida nos Serviços Farmacêuticos do Centro Hospitalar Universitário do Porto (CHUPorto).

Com o apoio do SNF, os farmacêuticos desta unidade pediram escusa de responsabilidade devido à falta de condições de trabalho e escassez de recursos humanos.

O presidente do SNF relembrou que a escassez de farmacêuticos hospitalares é transversal a todas as unidades de saúde nacionais.

Os farmacêuticos devem assumir o direito e dever de expor as situações que coloquem em risco uma prática de cuidados segura e de qualidade.

Assista ao vídeo aqui.

 

Reunião com ANF

O SNF esteve reunido com a ANF no passado dia 12 de maio para discussão e análise da contraproposta apresentada pela ANF relativa à negociação global do CCT entre as duas instituições.

O SNF manifestou a sua surpresa e desagrado relativamente à mesma, já que ela não corresponde ao sentimento e intenções que pareciam ser compartilhadas pela ANF e SNF no que respeita à necessidade de valorizar o farmacêutico comunitário e atrair para a farmácia comunitária os jovens farmacêuticos.

Face a este posicionamento do SNF e tendo a ANF reafirmado a sua vontade de valorizar o farmacêuticos e o seu papel dentro da farmácia ficou acordado a marcação de nova reunião de negociação após reavaliação das matérias em questão pela Direção da ANF.

Daremos conta dos desenvolvimentos deste processo negocial logo que possível.

A convite da Sr.ª Ministra da Saúde, Prof.ª Doutora Marta Temido, o SNF foi hoje 13 de abril, recebido em audiência no Ministério da Saúde e na sequência das reuniões que o Ministério da Saúde manteve com ordens profissionais e sindicatos dos profissionais da saúde.

Nesta reunião o SNF entregou um documento onde constam:
– A necessidade da implementação urgente da Residência Farmacêutica. O seu atraso compromete a qualidade dos serviços farmacêuticos e a chegada de especialistas aos hospitais. Entre o momento da criação da carreira e a chegada dos primeiros especialistas aos hospitais vão passar cerca de 10 anos . Não se pode continuar a atrasar o início da Residência;
– Pontos relacionados com os processos de equiparação em curso e a situação dos colegas contratados após a entrada em vigor do Decreto-Lei 6/2020 de 24 de Fevereiro (Residência Farmacêutica).
– Mais de 60% encontram-se hoje na base da carreira. E necessária a correção de incongruências resultantes do processo de transição para a Carreira.
– Enfatizou-se ainda a necessidade de assegurar a abertura de concursos de progressão com um número de vagas compatível com o número profissionais que há já vários anos reúnem condições para progressão, incluindo os colegas contratados em regime de Contrato Individual de Trabalho.
– A delegação do SNF entregou à Equipa Ministerial uma análise sobre a desvalorização remuneratória que a classe farmacêutica tem sido sujeita há vários anos. O descontentamento generalizado dos Farmacêuticos agravou- se nos últimos tempos. Sentem-se injustiçados e desrespeitados;
– Alertou também para a necessidade de revisão urgente da atual tabela remuneratória, adequando-a ao nível de formação académica e profissional dos farmacêuticos bem como às responsabilidades que lhes são exigidas.

A Sra. Ministra, afirmou que a análise deixada pelo SNF mostrava grandes evidências sobre a o nível remuneratório, a formação académica e a responsabilidade profissional dos farmacêuticos.

O SNF já pediu uma audiência para entregar o dossier completo sobre os pontos abordados nesta reunião.